'Quando Proseio Com Os Velhos' é a grande vencedora da 35ª Coxilha Nativista

06/08/2015 10h54

'Quando Proseio Com Os Velhos' é a grande vencedora da 35ª Coxilha Nativista

A 35ª Coxilha Nativista foi realizada nos dias 29 de julho a 1º de agosto, no Ginásio Municipal de Esportes de Cruz Alta. Esse é o Festival mais antigo, em se considerando a continuidade das suas edições: são 35 anos de forma ininterrupta desde 1981.

Mais que um patrimônio cultura regional, a Coxilha é um ponto de encontro dos ícones (compositores - poetas-letristas - musicistas e intérpretes) da música nativa do Rio Grande do Sul. Em 2015, o homenageado foi o seu idealizador, “Baianinho”, como era conhecido Antonio Augusto Sampaio da Silva (in memorian). Foi a partir de sua experiência pessoal em 1980 na partir na 1ª edição da Tertúlia Musical Nativista de Santa Maria que o político cruz-altense, pessoa ligada a cultura e as artes, trouxe para sua casa a ideia de realização em Cruz Alta de um festival nativista semelhante ao qual tinha presenciado. Inaugurava-se então, o 1º Festival que contava com a organização oficial de um Município, tanto em condições orçamentárias quanto na sua direção.

Nesta edição, dez músicas foram selecionadas para a Fase Local das quais quatro foram classificadas para a noite final que ocorreu em 1º de agosto de 2015 e também receberam premiações destinadas a este aparte no Festival:

1º Lugar - Quem Vem Lá - Letra de Jorge Nicola Prado, música de Kauê Diaz interpretada por Leonardo Dias Morales.

2º Lugar - Coxilhas - Letra e Música de César Silveira, por ele interpretada.

3º Lugar - Apego - Letra de Jorge Moreira, Música e interpretação de Beto Barcellos. 

A composição “Peão Gaudério”, uma vaneira com letra, música e interpretação de Sérgio Matias ficou com o prêmio de música mais popular da 35ª Edição do Festival.

Já das dezoito composições apresentadas nas noites 30 e 31 de julho que foram integrantes da Fase Geral da Coxilha Nativista, a partir da seleção dos jurados classificaram-se dez que se somaram as quatro já originárias da Fase Local.

No concurso final do Festival, onde as catorze composições concorreram em igualdade de condições, a comissão julgadora elegeu as seguintes vencedoras:

1º Lugar - QUANDO PROSEIO COM OS VELHOS (Milonga) – Letra: Sílvio Genro, Música e  interpretação de Tuny Brum acompanhada por Jair Medeiros (violão), Diogo Matos (teclado), Felipe Karan (violino) e Alexandre Scherer (contrabaixo).

2º Lugar - A FRONTEIRA E O VENTO (Milonga) – Letra: Jaime Vaz Brasil, Música e violão de João Bosco Ayala Rodrigues e Nilton Jr, na intérprete de Robledo Martins e grupo Chão de Areia (Chico Saga – violão; Mário Tressoldi – baixo; Mano Ayala – Percussão; Nilton Jr – piano e Flávio Jr – cajón).

3º Lugar - BALCÃOZITO CURANDEIRO (Chamarra) - Letra Diógenes Lopes, Música e interpretação e violão de Robson Garcia acompanhado por Marciano Reis (violão), Juliano Gomes (baixo), Marcelo Holmos (guitarrón), Marcelinho Nuñez (gaita botoneira) e Dado Gonzales (cajón).

As demais premiações individuais foram:

Melhor Intérprete - CRISTIANO FANTINEL interpretando Meus Guardiões (Letra e Música de Luiz Carlos Ranoff) que também recebeu a premiação de “Melhor Arranjo).

Melhor Instrumentista - LUCIANO MAIA.

Melhor Letra - A FRONTEIRA E O VENTO.

Melhor Melodia - QUANDO PROSEIO COM OS VELHOS.

O Melhor Tema alusivo a Cruz Alta e o Melhor Conjunto Vocal foi dirigida a composição APEGO.

Melhor Indumentária - GUTO GONZALEZ.

Música Mais Popular - PEÃO GAUDÉRIO.

Os jurados da 35ª edição da Coxilha Nativista foram renomados artistas sob os quais recaiu a árdua missão de selecionar as canções ainda no período de triagem e mais tarde, já contando com os trabalhos palco, julgá-las na fase classificatória e grande final:

poeta Rodrigo Bauer e o compositor intérprete Miguel Bicca, ambos de São Borja; intérprete e bicampeão da Coxilha nas edições 33ª e 34ª Ita Cunha, natural de São Gabriel. Para representação local foram escolhidos Marcelinho Carvalho, melodista e Régis Coradini, ambos de Cruz Alta.

O público que compareceu em grande número na 35ª edição do Festival foi presenteado com cinco shows seguidos nas noites da Coxilha:

Quarta-feira, 29 de julho – Show de Abertura: Nilton Ferreira e Show de Intervalo: Walther Morais; Quinta-feira, 30 de julho - Cristiano Quevedo; Sexta-feira, 31 de julho - Shana Muller e

Sábado, 01 de agosto – Garotos de Ouro.

Em todos os dias a abertura contou com o Show do Grupo “Passion Gaúcha” que apresentou performances de danças latinas e gaúchas.

Além de todos estes prêmios e apresentações o compositor cruz-altense Beto Barcellos foi agraciado com o “Troféu Origens” pelo conjunto da obra relevante, principalmente por sua participação desde as primeiras edições da Coxilha Nativista.


Últimas notícias

Festival Nativista Canto de Luz - 7ª edição

Lamparina da Canção é encerrada com show dos primeiros colocados


Festival Nativista Canto de Luz - 7ª edição

Confira já os vencedores do 7º Festival Nativista Canto de Luz


Festival Nativista Canto de Luz - 7ª edição

Conheça as 16 finalistas da 7ª edição do Canto de Luz


Edições Anteriores

Mais informações

O Festival Nativista Canto de Luz é um evento realizado pela Prefeitura de Ijuí, através da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo e Associação Cultural Canto de Luz, com apoio das forças vivas da comunidade.

Local: CTG Clube Farroupilha, em Ijuí/RS

E-mail:

Fone: (55) 3331-8200

Apoio

© Todos os direitos reservados, 2019. Login